Família homoparental

Prosseguir com um projeto de família homoparental é um grande desafio, não porque signifique que as  duas mães não possam assumir o papel paterno, mas devido à possível pressão que a sociedade possa exercer sobre essas mães.

Os avanços tecnológicos e científicos na área de Reprodução Assistida tornaram possível para muitas pessoas a realização do seu planejamento familiar, tanto aos casais com problemas de fertilidade, quanto às mulheres que desejam ser mães solos por opção e mesmo os casais de mulheres. A realização de um planejamento familiar homoparental é um grande desafio, não porque isso signifique que duas mães não possam assumir o papel paterno, mas devido à possível pressão que a sociedade pode exercer sobre essas mães.

O que é uma família homoparental?

Uma família homoparental é aquela formada por um casal do mesmo sexo, dois homens ou duas mulheres, que se tornam pais. Estas famílias podem ser formadas em ambos os casos graças à adopção ou, apenas no caso de mulheres, através de tratamentos de Reprodução Assistida.

Quando os nossos especialistas são consultados por casais constituídos por mulheres que desejam tornar-se mães, o seu principal receio é geralmente sobre como o seu meio reagirá a esta família “não convencional”, e se esta poderá ter algum impacto no seu futuro filho. Estudos têm demonstrado que os filhos de casais do mesmo sexo não têm

qualquer complicação diferente de qualquer outra criança de uma família heterossexual no que diz respeito ao seu bem-estar psicossocial. O desenvolvimento psicológico das crianças dependerá da conexão que tiverem com os seus pais, da disponibilidade emocional dos adultos e do contexto social em que se desenvolverem, independentemente do sexo dos seus pais.

No que diz respeito às famílias do mesmo sexo feminino, estudos mostram que o envolvimento emocional com os seus filhos e os padrões parentais são semelhantes aos das mulheres que compartilham a maternidade com os homens. Como aspectos a destacar, as crianças que crescem neste tipo de família tendem a ter um melhor desenvolvimento da

diversidade e um sentido de igualdade no que diz respeito à divisão das tarefas domésticas.

Em conclusão, as crianças que crescem em tais famílias não têm desvantagens de desenvolvimento em comparação com as que crescem em famílias heterossexuais. De fato, diferentes estudos demonstraram que têm uma autoestima e competências sociais semelhantes, o que levou a comunidade científica a concluir que o bem-estar e desenvolvimento das crianças está relacionado com a qualidade da vida familiar, e não com a estrutura da sua família.

Quais serviços oferecemos?

Na WeFIV temos uma grande equipe de profissionais especializados na Reprodução Assistida e a mais recente tecnologia para levar a possibilidade de formar uma família àqueles que assim o desejam. Cada casal e paciente que vem para uma consulta com os nossos médicos recebe uma atenção personalizada e abrangente para que o tratamento que melhor se adapta às suas condições e necessidades possa ser indicado.

Especialmente, os casais femininos não recorrem a tratamentos de Reprodução Assistida devido a problemas de infertilidade, senão porque precisam de um doador de espermatozoides para conseguir uma gravidez. Do mesmo modo, as opções de tratamento à sua disposição são as seguintes:

Tratamento de baixa complexidade que tem como objetivo aumentar as possibilidades da gravidez através da introdução de espermatozoides previamente escolhidos em laboratório dentro da cavidade uterina da mulher, alguns minutos antes da ovulação.

Tratamento de alta complexidade que consiste em realizar o processo de fertilização fora do corpo da mulher, ou seja, em laboratório. A união dos dois gametas (masculino e feminino) ocorre em meio artificial, mas o processo em si é natural, pois os espermatozoides são colocados ao redor do óvulo, o qual é penetrado naturalmente por um dos espermatozoides.

No caso em que ambas mulheres desejem ter a  participação biológica na maternidade, na WeFIV contamos com uma técnica específica chamada Método ROPA. Consiste em que as duas mulheres que formam um casal  possam compartilhar ativamente o processo de Fertilização in vitro, sendo uma delas a mãe genética ao fornecer o óvulo do bebê e a outra mãe biológica ao gestar o bebê.

Tomar a decisão

A decisão de ser mãe geralmente é refletida e pode ser afetada por fatores sociais, emocionais e econômicos. Decidir trazer um filho ao mundo pode ser muito avassalador, principalmente por todas as responsabilidades que isso acarreta, independentemente do tipo de família que se forme (convencional, monoparental ou homoparental). De qualquer forma, as pessoas que quebram o esquema tradicional de família geralmente têm maiores preocupações, pois temem qual será a reação de seus vínculos afetivos e do meio em geral.

Além disso, casais de mulheres que desejam experimentar a maternidade não apenas têm que decidir se vão seguir adiante com todo o procedimento envolvido, mas também devem decidir qual delas levará adiante a gravidez em seu corpo e qual contribuirá com o óvulo (em alguns casos coincide na mesma mulher e em outros utilizam o Método ROPA). Para isso, é importante recorrer a profissionais especializados em Reprodução Assistida e Psicologia Reprodutiva. Dessa forma, e com uma visão integral, pode-se realizar

o tratamento e as técnicas que se adequem às necessidades e desejos do casal.

Em caso de dúvida ou consulta sobre como prosseguir com um tratamento de Reprodução Assistida, solicite uma consulta com nossos profissionais, que poderão orientá-los e fornecer o máximo de informações possíveis para tomar a decisão em conjunto.

Pesquisar